sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Cientistas descobrem espaço vazio escondido na Grande Pirâmide de Gizé

A Grande Pirâmide de Gizé, também conhecida como Pirâmide de Quéops ou Khufu (Foto: Nina Aldin Thune/CC0 Creative Commons)
A Grande Pirâmide de Gizé, também conhecida como Pirâmide de Quéops ou Khufu (Foto: Nina Aldin Thune/CC0 Creative Commons)

Depois de dois anos de estudos na 'Grande Pirâmide de Gizé' (Egito), cientistas descobriram que há um grande espaço vazio no interior monumento -- ainda não acessado. O achado foi publicado nesta quinta-feira (2) na edição on-line da revista "Nature". Eles estimam que o vazio tem pelo menos 30 metros de comprimento.

O estudo teve como primeiro autor Kunihiro Morishima, da Universidade de Nagoya, no Japão, e incluiu também pesquisadores franceses da Université Paris Saclay. A "Nature" classificou o achado como a principal descoberta no interior da pirâmide desde o século XIX.
Segundo os cientistas, ainda não se sabe o porquê desse vazio ou a função dele, já que o seu acesso foi obtido de forma indireta para evitar danos à pirâmide.
Cientistas, no entanto, comemoram a descoberta que só foi possível após o surgimento de técnicas modernas da física. A pirâmide é estudada há mais de 200 anos e esse achado pode ajudar a desvendar os mistérios sobre a sua construção.
"Os achados mostram como a física moderna de partículas pode lançar novas luzes sobre o patrimônio arqueológico do mundo", escreveram pesquisadores no estudo.
Grande pirâmide de Gizé: espaço vazio escondido foi encontrado após uso de raio-x cósmico (Foto: Betta Jaworski e Igor Estrella/G1)Grande pirâmide de Gizé: espaço vazio escondido foi encontrado após uso de raio-x cósmico (Foto: Betta Jaworski e Igor Estrella/G1)
Grande pirâmide de Gizé: espaço vazio escondido foi encontrado após uso de raio-x cósmico (Foto: Betta Jaworski e Igor Estrella/G1)
Para descobrir o espaço vazio, cientistas utilizaram imagens da pirâmide feitas com raios cósmicos, feixes com energia muito alta e enorme velocidade. Quando lançados sobre partículas, esses raios ajudam a desvendar os mistérios da formação dessas estruturas.

Aparelhos detectores de muóns usados para captar imagens da pirâmide (Foto: ScanPyramids via Nature)
Aparelhos detectores de muóns usados para captar imagens da pirâmide (Foto: ScanPyramids via Nature)
Os raios cósmicos formam partículas conhecidas como muóns, produzidas quando esses raios atravessam a atmosfera terreste. Subatômicas, essas partículas são similares aos elétrons e podem se comportar como o raio-x utilizado para fazer imagens do corpo humano. O muón possui uma trajetória quase linear e pode penetrar milhares de metros de pedra sem ser absorvido ou "sumir".
A Grande Pirâmide de Gizé está localizada no planalto de Gizé, nos arredores do Cairo, no Egito. Ela integra o complexo de Grandes Pirâmides, onde também está localizada a famosa Grande Esfinge. Estima-se que ela tenha sido construída no reinado de Faraó Khufu (Queóps), que reinou de 2509 a 2483 a.C.
Segundo a "Nature", a pirâmide foi construída a partir de blocos de pedra calcária e granito e, com seus 139 metros, é uma das maiores pirâmides egípcias. Também, segundo a "Nature", "é uma das estruturas mais impressionantes do mundo antigo hoje existentes."

Ilustração em 3D mostra a pirâmide e a localização do espaço encontrado. Ainda não se sabe o porquê do espaço existir (Foto: ScanPyramids via Nature)
Ilustração em 3D mostra a pirâmide e a localização do espaço encontrado. Ainda não se sabe o porquê do espaço existir (Foto: ScanPyramids via Nature)

Fonte:G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Total de visualizações de página

Arquivo do blog