domingo, 24 de setembro de 2017

Santos volta a ganhar do Atlético-PR e assume a vice-liderança do Brasileiro

Por Renan Cacioli



Em 2017, o Santos não deu chance ao Atlético-PR. No quarto duelo entre as equipes, na noite deste sábado, na Vila Belmiro, os paulistas ganharam de novo, desta vez por 1 a 0, pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Peixe, que estreou seu polêmico terceiro uniforme (camuflado), já havia vencido no primeiro turno (2 a 0) e nos dois jogos pelas oitavas de final da Libertadores – 3 a 2 (fora) e 1 a 0 (casa).

O gol da partida foi marcado por Bruno Henrique, aos 34 minutos do primeiro tempo, após rebote de Weverton em chute de Jean Mota.
Gol do Santos! Bruno Henrique pega rebote do goleiro e marca, aos 35' do 1º tempo
Com o resultado, o Peixe assumiu a vice-liderança, com 44 pontos, um à frente do Grêmio, que visita o Bahia neste domingo. A vitória também tira um pouco da pressão sobre as ombros do time e do técnico Levir Culpi depois da eliminação na Libertadores, quarta-feira passada, diante do Barcelona de Guayaquil, que ganhou por 1 a 0 na Vila.
Já o Furacão perdeu a chance de colar no G-6. Segue em oitavo, com 34 pontos, mas pode ser ultrapassado pelo Vasco (31) caso os cariocas ganhem do Sport, no Recife, na segunda-feira, e pelo Atlético-MG (31), que pega o Vitória, em Belo Horizonte.
Na próxima rodada, o Santos tem um clássico pela frente. No sábado (30), enfrenta o Palmeiras, às 19h (de Brasília), na arena do rival. Já o Atlético-PR recebe o Atlético-MG no dia seguinte, às 19h, na Arena da Baixada.

Primeiro tempo: Jean Mota "liberta" o Santos

Diferentemente do jogo contra o Barcelona de Guayaquil, quando surpreendeu na escalação ao barrar Jean Mota para apostar em Leandro Donizere, Levir preferiu não inventar. Ou quase isso. Sem contar com Donizete (suspenso) e o trio lesionado de titulares (Victor Ferraz, Renato e Lucas Lima), o treinador colocou Jean Mota no meio, ao lado de Vecchio e Alison, e Daniel Guedes na lateral direita.
A "novidade", desta vez, foi o posicionamento de Vecchio e Jean Mota. Esperava-se que o primeiro tivesse papel mais defensivo, para liberar Jean Mota na armação. Justamente o contrário do que se viu nos primeiros 30 minutos. Era o argentino quem ficava mais adiantado. Assim, o Santos sofreu para sair de seu campo defensivo sem recorrer a passes forçados de Veríssimo e Braz na busca da conexão com o trio de ataque.
Já o Atlético-PR veio com proposta parecida à da sua última exibição na Vila – derrota por 1 a 0, pela Libertadores –, com um quarteto de frente (Gedoz, Guilherme, Nikão e Sidcley) bastante móvel. Sem a bola, eles subiam a marcação, forçando o passe dos zagueiros santistas. Com ela, trocavam de posições o tempo todo. Cabia a Gedoz, o camisa 10, ser o mais cerebral. Foi dele, também, a chance mais clara de gol do Furacão, em chute que Vanderlei defendeu.
Gedoz arrisca de fora e Vanderlei faz bela defesa salvando o Santos, aos 25' do 1º tempo
Com o passar do tempo – e irritação de parte da torcida da casa, especialmente com Copete –, Jean Mota foi se soltando e deixando Vecchio para trás na transição. Parece simples, mas a troca de funções melhorou muito o Santos e, por tabela, deu trabalho aos paranaenses.
Com o camisa 39 armando, o Peixe passou a ser mais objetivo. Zeca deixou também a lateral para se infiltrar pelo meio, o que confundiu a marcação do Atlético-PR. Aos 34, com o jogo mais equilibrado, o Santos abriu o placar. Jean Mota aproveitou um erro na saída de bola de Wanderson, arriscou de longe e viu Weverton espalmar para frente. No rebote, Bruno Henrique marcou seu 16º gol na temporada.
Jean Mota e Bruno Henrique comemoram o gol do Santos contra o Furacão (Foto: Guilherme Dionizio / Photopress / Estadão Conteúdo)Jean Mota e Bruno Henrique comemoram o gol do Santos contra o Furacão (Foto: Guilherme Dionizio / Photopress / Estadão Conteúdo)
Jean Mota e Bruno Henrique comemoram o gol do Santos contra o Furacão (Foto: Guilherme Dionizio / Photopress / Estadão Conteúdo)

Segundo tempo: Furacão muda, Peixe joga no contragolpe

Durante o primeiro tempo, o técnico Fabiano Soares se irritou em diversos momentos com Sidcley, tanto que acabou invertendo o camisa 8 de lado com Nikão. Ainda insatisfeito, voltou do intervalo sem ele. Também tirou Lucho González, que dificilmente suportaria ficar em campo e já havia recebido um amarelo. As apostas foram em Ribamar e Matheus Rossetto. O time ficou assim:
Formação do Atlético-PR no segundo tempo (Foto: GloboEsporte.com)Formação do Atlético-PR no segundo tempo (Foto: GloboEsporte.com)
Formação do Atlético-PR no segundo tempo (Foto: GloboEsporte.com)
O Santos passou a jogar naquilo que faz melhor, os contra-ataques. O duelo ficou aberto e equilibrado, com boas chances de gol para os dois lados. Bruno Henrique e Copete quase ampliaram para o Peixe. Fabrício também esteve perto de empatar, e David Braz cortou uma finalização de Ribamar que salvou os donos da casa.
Soares ainda tentou mais uma mexida – trocou Gedoz por Lucas Fernandes –, enquanto Levir colocou Serginho no lugar de Vecchio e Matheus Jesus, estreante da noite, na vaga de Alison. Com a cabeça no lugar, o Peixe conseguiu segurar o resultado até o apito final.
Melhores momentos: Santos 1 x 0 Atlético-PR pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro 2017
Melhores momentos: Santos 1 x 0 Atlético-PR pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro 2017


Fonte:Globoesporte.com

Total de visualizações de página

Arquivo do blog